HOSPITAL GERAL DE CABINDA COM EQUIPAMENTOS DE PONTA

 HOSPITAL GERAL DE CABINDA COM EQUIPAMENTOS DE PONTA

By: Redaccção

Meios de diagnósticos modernos animam profissionais de saúde Joaquim Ndoique é um jovem angolano de 25 anos de idade, que viu o seu sonho se tornar realidade, ao ser admitido como técnico de radiologia no Hospital Geral de Cabinda, inaugurado ontem pelo Presidente da República, João Lourenço. O técnico participou pela primeira vez no concurso público, realizado recentemente pelo Ministério da Saúde, e foi aceite, para sua surpresa e satisfação. Ele vai reforçar o Departamento de Imagiologia, uma das áreas melhor equipadas do novo hospital de Cabinda, com uma dimensão e qualidade apenas comparada ao Complexo de Doenças Cardio-Pulmonares Cardeal Dom Alexandre do Nascimento, inaugurado em Novembro do ano passado. A felicidade de Joaquim Ndoique é maior ainda porque vai trabalhar com equipamentos de última geração. “Gosto de enfrentar novos desafios sempre. É um sonho para mim trabalhar com aparelhos da última geração, modernos. Sou jovem, tenho ambição, e minha ambição é crescer mais no mundo da imagiologia. Então, esse é um desafio que pretendo abraçar, e quero aprender com os que tem mais experiência, melhor domínio, para eu poder crescer no meu ramo”, disse entusiasmado. O Hospital Geral de Cabinda vai funcionar com 771 profissionais, dos 1.250 previstos, dos quais 95 médicos, 42 especialistas e 53 internos. Vão também trabalhar nesta unidade hospitalar 502 enfermeiros, 98 técnicos de diagnóstico e terapêutica, 60 técnicos de apoio hospitalar e 16 do regime geral.O técnico Joaquim Ndoique também acredita que o novo hospital será um grande ganho para a população cabindense e disse estar preparado para atender com profissionalismo e humanismo todos que acorrerem à sua área. “Serão bem recebidos, daremos sempre o nosso melhor para garantir a saúde de todos, sem excepção”, prometeu. Aleixo Cutin é outro profissional que trabalha no novo hospital. A sua missão é garantir a higiene da maternidade. “Sinto-me feliz! Desde que estou aqui em Cabinda, é a primeira empresa de limpeza que presto serviço e agradeço muito o gesto do Governo”, disse.INFRAESTRUTURA MODERNA Quem entra pela primeira vez ao Hospital Geral de Cabinda, tem a impressão de estar num hotel de cinco estrelas. A infraestrutura é moderna, deslumbrante e o seu interior tem uma decoração igualmente moderna, causando um ambiente um ambiente acolhedor e vivo, que impressiona tanto visitantes, quanto doentes que acorrem ao hospital. O Departamento de Imagiologia, por exemplo, é uma das áreas com equipamentos de ponta que vão permitir a realização de exames de alta complexidade. “Este Departamento conforma várias áreas com equipamentos de detecção de imagens, dentre os quais o de raio x, uma sala de rádio fluoroscopia, uma sala de tomografia computadorizada, duas salas de ecografia com ecógrafos que fazem exames de alta complexidade como estudo doppler, elastografia”, explicou. Segundo o médico especialista em Imagiologia, Celestino Delgado, também responsável por formar os novos quadros da área, a maior estrela do hospital é o equipamento de ressonância magnética, o primeiro em África com baixas doses de hélio, que vai não só curar doentes, como prevenir doenças e ainda permitir que os estudantes da saúde façam especialização sem sair da província.“Este é um hospital de referência, não só no concerne ao atendimento de pacientes, mas também na vertente formativa, porque é uma das grandes valências para a população. Já não vai haver necessidade de os profissionais de Cabinda se dirigirem para Luanda ou para outros locais para fazerem especialização”, acrescentou.O Departamento de Imagiologia tem também um equipamento de mamografia que ajuda a realizar exames como tomossíntese e estereotáxica, e facilita a acurácia de patologias do género. Para garantir a formação contínua dos profissionais, o Hospital Geral de Cabinda tem auditórios com equipamentos para videoconferências, a fim de permitir a formação dos profissionais locais, mesmo que os especialistas estejam fora da instituição. Neste momento, estão a ser formados aproximadamente 20 técnicos médios e superiores de radiologia de vários municípios de Cabinda, para estarem aptos a realizar exames que não eram possíveis, por falta de equipamentos apropriados e modernos.

Fonte: Presidência da República

Postagem relacionada

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.